ELEIÇÃO “DIFÍCIL” PARA ROSEANA SARNEY SIGNIFICA QUE ELA NÃO TERÁ A MÁQUINA DE FAZER VOTOS

Roseana Sarney reuniu correligionários do PMDB para um ensaio de candidatura ao Governo do Maranhão.

Ela disse que, se for candidata, a eleição de 2018 será “difícil”.

O adjetivo traduz a dura realidade que o grupo liderado por José Sarney terá pela frente: disputar uma eleição sem a chave do cofre do Palácio dos Leões.

Em quase todas as disputas, Roseana Sarney sempre foi beneficiada pela conjugação de duas máquinas de fazer votos: a federal e a estadual.

Aliado de todos os governos em Brasília, inclusive de Lula (PT), José Sarney operava os seus interesses familiares por dentro dos poderes da República.

Em 2018 a família não terá dinheiro público do Maranhão para investir na campanha. Restará, apenas, o governo federal.

Se Michel Temer abrir a torneira do Palácio do Planalto, Roseana Sarney entra na disputa. Mesmo assim, fragilizada, apenas pela metade.

Ela também não terá o apoio de Lula, cabo eleitoral forte em qualquer circunstância, mesmo que esteja preso.

Ventila-se que Roseana Sarney será nomeada ministra das Cidades, dando a ela condições de montar uma estrutura de campanha para enfrentar o governador Flávio Dino (PCdoB), candidato à reeleição.

Apenas com o apoio da máquina federal, ainda que seja ministra, ela não terá todas as armas nem munição suficiente para ganhar a eleição.

É por isso que ela disse que a eleição de 2018 é difícil.

Só era fácil quando José Sarney tinha nas mãos o apoio de Brasília, o Palácio dos Leões, o Judiciário e as prefeituras.

Agora, é outro jogo.

2 thoughts on “ELEIÇÃO “DIFÍCIL” PARA ROSEANA SARNEY SIGNIFICA QUE ELA NÃO TERÁ A MÁQUINA DE FAZER VOTOS

  1. Será que não terá mesmo o apoio de Lula?Sei não…acho que basta um aceno do “incomum” em direção a Lula, que virá se Lula “disparar” nas pesquisas.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Scroll To Top